Existe diferença de perseguição religiosa entre homens e mulheres ?

Veja como cristãos enfrentam diferentes tipos de hostilidade de acordo com o gênero

| 07/03/2022 - 08:00

Homens e mulheres enfrentam diferentes desafios para seguir a Jesus em países onde há perseguição

Homens e mulheres enfrentam diferentes desafios para seguir a Jesus em países onde há perseguição


A perseguição religiosa específica de gênero é endêmica, estratégica e intensificada por meio de conflitos, crimes e crises. Homens e mulheres enfrentam desafios diferentes por causa da fé em Jesus e isso faz parte de uma tendência global. Os perseguidores aproveitam as normas e os valores socioculturais para pressionar cristãos e enfraquecer a comunidade cristã.

As dinâmicas da perseguição religiosa específica de gênero que geralmente afetam os homens são focadas e visíveis. Em contraste, as mulheres experimentam padrões e formas de perseguição que são complexos e ocultos. Ambos são marcados pela violência, mas os homens cristãos normalmente enfrentam violências mais graves e até letais, enquanto a violência enfrentada pelas mulheres tende a ser invisível e duradoura.

As crises globais são novas oportunidades para prejudicar populações cristãs. Os contextos de conflito, criminalidade, sistemas jurídicos religiosos e radicais são aproveitados para perpetuar a pressão e a violência tanto sobre homens como mulheres que seguem a Jesus. Situações agudas, como a tomada do Talibã no Afeganistão ou a pandemia de COVID-19, servem para acentuar a vulnerabilidade e, assim, intensificar as tendências de perseguição específicas de gênero.

Como é a perseguição aos homens e meninos cristãos?

A perseguição de homens e meninos cristãos é uma tentativa de removê-los do cenário. “É um princípio simples: mate o líder e vença a batalha”, compartilha um especialista na Índia.

Ao atingir homens que são líderes de igreja, pais e provedores financeiros, os perseguidores infligem dor à comunidade cristã. Ao boicotar os negócios do homem ou acusá-lo falsamente de crimes para colocá-lo na prisão, as famílias são jogadas na miséria. Ao recrutar homens para milícias e grupos criminosos, raptá-los ou matá-los, as esposas, filhos e comunidades ficam traumatizadas e indefesas.

Homens e meninos cristãos são atacados para se sentirem impotentes na provisão das necessidades e proteção das famílias

Ao eliminar a figura que atua para proteger, encorajar e resgatar os mais vulneráveis, a próxima geração fica exposta; nas circunstâncias mais extremas, os meninos podem ser facilmente recrutados por milícias ou mortos por extremistas. Se ainda estiver vivo, a geração mais velha sente a dor de ser incapaz de fornecer proteção.

A perseguição contra os homens é consistentemente violenta. Desde que a Portas Abertas começou a fazer o relatório de perseguição religiosa específica gênero, em 2018, três principais pontos de pressão foram classificados: violência física, prisão e assédio econômico por meio do trabalho. Esses pontos são possibilitados por leis discriminatórias, pressão estatal e normas socioculturais que veem os homens cristãos como inferiores.

O impacto da necessidade financeira para cristãos

Sobrecarregados pelas pressões econômicas que foram exacerbadas pelas medidas de COVID-19, os homens cristãos lutam para encontrar trabalho, ser reconhecidos para receber promoções ou criar negócios sem passar por obstáculos adicionais. Não poder sustentar a família é motivo de vergonha para os homens, levando muitos a migrar em busca de oportunidades. Isso fragmenta ainda mais as famílias e comunidades cristãs.

Homens convertidos de religiões majoritárias ao cristianismo são frequentemente desprezados aos olhos da comunidade local. Como homens, espera-se que eles liderem a família em todos os aspectos – incluindo crenças religiosas. Ao se converter ao cristianismo, um homem falha em seu papel e trai a família, a cultura e a comunidade.

Na melhor das hipóteses, a família pode tolerar tranquilamente a fé recém-descoberta, desde que ele a mantenha em silêncio. Na pior das hipóteses, ele será marginalizado socialmente, agredido e/ou morto nas mãos de extremistas, membros da comunidade ou até mesmo da própria família.

Como é a perseguição às mulheres e meninas cristãs?

As mulheres são visadas como um “prêmio” sexual e como um instrumento usado para punir ou prejudicar a comunidade cristã em geral. Elas são vistas como de menor valor, tanto como cristãs quanto como mulheres. Por isso são alvos mais fáceis para crimes sexuais. Os ataques também podem ser causados por terem um status mais baixo, em vez de razões religiosas. Elas “não têm valor, portanto, se ou quando forem descobertas, há uma alta probabilidade de serem transformados em escravas sexuais”, afirma o relatório da Portas Abertas. Por outro lado, na América Latina, as meninas cristãs são visadas devido à sua pureza sexual percebida.

Meninas cristãs correm mais risco de serem agredidas sexualmente e traficadas para serem esposas em casamentos forçados


Quer mulheres e meninas sejam vistas como puras ou sem valor, o corpo delas se torna um veículo para transmitir vergonha à comunidade cristã, particularmente em culturas em que a pureza sexual está ligada à honra da família. Sobreviventes de abuso sexual retornam traumatizadas e são vistas como lembranças simbólicas do poder dos perpetradores. Famílias e comunidades locais lutam para superar o estigma associado ao abuso que ela sofreu, principalmente se ela voltar para casa grávida ou com um bebê.

O impacto da insegurança para cristãs

A exploração sexual de mulheres serve para conter o crescimento das populações cristãs, ao mesmo tempo em que aumenta o de outras populações. Em países afetados por conflitos, como Nigéria, República Centro-Africana e República Democrática do Congo, mulheres e meninas cristãs são sequestradas e forçadas a se casar com militantes a fim de gerar futuros soldados.

As mulheres convertidas de religiões majoritárias ao cristianismo enfrentam duras pressões dos membros da família. Elas correm o risco de serem colocadas em prisão domiciliar, forçadas a se casar, abusadas física ou sexualmente e pressionadas para deixar a nova fé. Se já casadas, correm o risco de serem forçada a se divorciar, perdem a segurança financeira e física que o casamento proporcionava, além de ter negado o relacionamento com os filhos.

O que podemos fazer pelos cristãos perseguidos? 

A pressão e violência alcançam homens e mulheres cristãs de diferentes formas. Por isso, a Portas Abertas mantém projetos variados para que os irmãos e irmãs em Cristo sejam fortalecidos em suas principais necessidades. Contamos com sua intercessão e generosidade para que os seguidores de Jesus resistam à perseguição e sejam testemunhas de que não estão sozinhos na caminhada da fé. Escolha uma campanha e doe! 

 


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco