48

Kuwait

KW
Kuwait
  • Tipo de Perseguição: Opressão islâmica, opressão do clã, paranoia ditatorial
  • Capital: Cidade do Kuwait
  • Região: Península Arábica
  • Líder: Amir Nawaf al-Ahmad al-Jaber al-Sabah
  • Governo: Monarquia constitucional
  • Religião: Islamismo, cristianismo
  • Idioma: Árabe, inglês
  • Pontuação: 63


POPULAÇÃO
4,3 MILHÕES


POPULAÇÃO CRISTÃ
513 MIL

Como é a perseguição aos cristãos no Kuwait? 

No Kuwait, cristãos expatriados são relativamente livres para adorar informalmente. No entanto, os lugares existentes registrados para adoração são muito pequenos para o número de pessoas reunidas, e isso pode levar à tensão entre diferentes grupos cristãos. Além disso, é extremamente difícil obter uma propriedade para se reunir para os cultos 

Os cristãos ex-muçulmanos locais enfrentam a perseguição mais extrema, pois enfrentam pressão tanto dos membros da família quanto da comunidade local para renunciar à fé cristã. Esses cristãos correm o risco de discriminação, assédio, monitoramento das atividades pela polícia e até intimidação por grupos de vigilantes. Além disso, a conversão do islã para outra fé não é oficialmente reconhecida e provavelmente levará a problemas legais em questões pessoais de status e propriedade.   

Os muçulmanos expatriados que se convertem ao cristianismo experimentam pressões semelhantes às de seus países de origem, pois muitas vezes vivem dentro das próprias comunidades nacionais ou étnicas. Apesar disso, raramente há relatos de cristãos sendo mortos, presos ou prejudicados pela fé. 

“A palavra de Deus é alimento aqui. As pessoas estão tão famintas pela palavra que ela simplesmente faz um caminho até elas.” 

Judá, cristão perseguido na Península Arábica  

O que mudou este ano? 

A pressão permanece em um nível muito alto, com os cristãos ex-muçulmanos suportando o peso da perseguição, pois enfrentam a oposição tanto dos membros da família quanto da comunidade local.  

Quem persegue os cristãos no Kuwait? 

O termo tipo de perseguição é usado para descrever diferentes situações que causam hostilidade contra os cristãos. Os tipos de perseguição aos cristãos no Kuwait são: opressão islâmica, opressão do clã, paranoia ditatorial. 

Já as “fontes de perseguição são os condutores/executores de hostilidades, violentas ou não violentas, contra os cristãos. Geralmente são grupos menores (radicais) dentro do grupo mais amplo de adeptos de uma determinada visão de mundo. As fontes de perseguição aos cristãos no Kuwait são: líderes religiosos não cristãos, oficiais do governo, parentes, cidadãos e quadrilhas, partidos políticos, líderes de grupos étnicos. 

Quem é mais vulnerável à perseguição no Kuwait? 

O Kuwait é um país muito pequeno, com a capital, Cidade do Kuwait, sendo o centro de todas as atividades. Os riscos que os cristãos enfrentam – especialmente convertidos do islamismo ao cristianismo – dependem do tipo de comunidade da qual fazem parte, em vez da área geográfica onde vivem. Os cristãos ex-muçulmanos kuwaitianos enfrentam os maiores riscos, já que os kuwaitianos são conservadores e os laços familiares são fortes. Os expatriados cristãos ocidentais são, na maioria das vezes, livres para praticar suas crenças, desde que se abstenham de fazer proselitismo. Cristãos não ocidentais com níveis mais baixos de habilidades são mais propensos a enfrentar discriminação e abuso, especialmente empregadas domésticas, muitos delas das Filipinas.   

Como as mulheres são perseguidas no Kuwait? 

As mulheres cristãs permanecem especialmente vulneráveis, pois as mulheres em geral no Kuwait são tratadas como inferiores aos homens. Embora haja relativamente poucos cristãos kuwaitianos, muitas das empregadas domésticas estrangeiras no Kuwait são cristãs. Isso é significativo em um país onde a população estrangeira supera a população local.   

As mulheres cristãs ex-muçulmanas nativas do Kuwait encontram severa pressão familiar para rejeitar a nova fé, o que leva algumas a buscarem a emigração. Talvez a lei mais difícil para os cristãos ex-muçulmanos que esperam estabelecer a própria família cristã é que as mulheres ex-muçulmanas são impedidas por lei de se casarem com um não muçulmano.  

Empregadas domésticas que trabalham no Kuwait muitas vezes enfrentam assédio sexual ou tratamento semelhante à escravidão. Os maus-tratos aos trabalhadores migrantes, incluindo o abuso sexual, tornaram-se uma questão de grande importância a nível internacional. Embora não relacionada principalmente à fé, muitas trabalhadoras domésticas cristãs, quase todas do sexo feminino, enfrentam abuso sexual.   

Como os homens são perseguidos no Kuwait? 

No Kuwait, os homens que se convertem ao cristianismo temem a rejeição da família imediata e extensa e as repercussões que têm em seu sustento. Nessa sociedade islâmica, os homens cristãos ex-muçulmanos provavelmente serão isolados pela família, perdendo simultaneamente o respeito e o apoio financeiro. Muitas vezes, isso significa que homens ou meninos cristãos são forçados a deixar a casa da família.   

Sem o apoio familiar, é difícil para os homens encontrar ou manter o emprego, e casar torna-se quase impossível. Os homens cristãos estão especialmente sujeitos a discriminação e hostilidades no local de trabalho. As esposas dos muçulmanos que se converteram ao cristianismo pedem divórcio após a conversão. O isolamento consequente da conversão é ainda mais amplificado pela dificuldade que os cristãos ex-muçulmanos têm de formar grupos religiosos sustentáveis. 

O que a Portas Abertas faz para ajudar os cristãos no Kuwait? 

A Portas Abertas promove apoio espiritual por meio de campanhas de oração em favor dos cristãos perseguidos no Kuwait. 

Como posso ajudar os cristãos perseguidos? 

Além de orar por eles, você pode ajudar de forma prática doando para os projetos da Portas Abertas de apoio aos cristãos perseguidos. Doando para esta campanha, sua ajuda vai para locais onde a necessidade é mais urgente.



Pedidos de oração do Kuwait 

  • Clame pelos muitos cristãos expatriados que trabalham e vivem no Kuwait. Peça a Deus para dar a eles comunhão, vocação e esperança renovada.   
  • Ore para que o governo do Kuwait  mais liberdade para os cristãos – especialmente os de origem muçulmana – se encontrarem, orarem e compartilharem a fé livremente.   
  • Cristãos kuwaitianos ex-muçulmanos às vezes são detidos e interrogados pelas autoridades. Eles podem enfrentar severas ameaças se continuarem a praticar a fé e se encontrar com outros irmãos em Cristo. Peça a Deus para lhes dar ousadia e perseverança para se manterem fortes em Jesus 

Um clamor pelo Kuwait 

Pai, estamos diante do Senhor para pedir que fortaleça sua igreja no Kuwait neste exato momento. Por favor, dê aos nossos irmãos e irmãs em Cristo uma paixão para segui-lo mesmo em meio a severa perseguição – e faça-os ver que o Senhor está com eles. Guie-os com a força para manter a fé e não cair quando experimentarem essas provas. Refine-os e levante-os para sua glória. Também oramos para que os funcionários do governo afrouxem os punhos e permitam mais liberdade para a comunidade cristã se reunir, adorar e viver livremente a fé. Em nome de Jesus, amém.   

Em 2011, as revoltas da Primavera Árabe inspiraram alguns protestos no Kuwait, mas com pouco efeito. No entanto, o primeiro-ministro do Kuwait, xeique Nasser al-Mohammed al-Sabah, e seu gabinete renunciaram em dezembro de 2011 devido a acusações de corrupção. 

Em outubro de 2012, o parlamento foi dissolvido mais uma vez, quando havia tensões entre as forças governamentais e a oposição, composta por facções islâmicas e tribais. A crise política continuou até 2013, quando o país realizou sua terceira rodada de eleições parlamentares no prazo de 16 meses. 

Em fevereiro de 2018, surgiu uma discussão diplomática entre Kuwait e Filipinas, depois que uma doméstica filipina foi encontrada morta em um freezer, revelando o abuso das domésticas. Como reação, o presidente filipino Duterte impôs uma proibição de viagem de migrantes filipinos para o Kuwait. Depois que os dois governos chegaram a um acordo sobre os direitos dos trabalhadores em maio de 2018, a proibição foi retirada. O abuso de trabalhadoras domésticas é um grande problema no Kuwait, mas é difícil saber em que extensão a fé cristã de um empregado aumenta a sua vulnerabilidade. 

CENÁRIO POLÍTICO E LEGAL 

O Kuwait é uma monarquia constitucional cujo chefe de Estado é Emir Sheikh al-Sabah. Foi o primeiro país árabe no Golfo a ter um parlamento eleito. Em maio de 2005, o parlamento deu às mulheres o direito de votar e se candidatarem às eleições para a Assembleia Nacional de 50 lugares. 

A organização Human Rights Watch relata que o Kuwait continua restringindo a liberdade de expressão, usando medidas na Constituição, lei de segurança nacional e outras legislações para reprimir dissidências políticas. Apesar das reformas recentes, trabalhadores imigrantes não têm proteção legal adequada e permanecem vulneráveis a abusos, trabalho forçado e deportação por infrações menores. 

De acordo com a Constituição, o islamismo é a religião do Estado e a lei islâmica (sharia) é uma importante fonte para a legislação. O governo exige instrução religiosa islâmica para todos os alunos nas escolas particulares e públicas. Ensinar o cristianismo em uma escola secundária dirigida pelo governo é proibido, até mesmo para grupos cristãos reconhecidos legalmente. No passado, um número significativo de kuwaitianos foram tolerantes com moradores não muçulmanos, porém, isso começou a mudar devido à crescente influência de grupos radicais islâmicos, que não queriam ver cristãos no país.  

Embora o grupo Estado Islâmico (EI) tenha enfraquecido militarmente, sua influência ainda é presente e desfruta de uma repercussão notável entre um número significativo de radicais sunitas. Cidadãos kuwaitianos são conhecidos por terem lutado pelo Estado Islâmico no Iraque e na Síria.  

Comparado a outros países na Península Arábica, o Kuwait geralmente se posiciona melhor em liberdades civis e de imprensa e os kuwaitianos são orgulhosos da participação ativa na política. 

O Kuwait tenta manter uma posição neutra a nível internacional e não se une à Arábia Saudita e aos Emirados Árabes Unidos no boicote ao Catar. Ele está tentando conciliar a crise do Catar, com o Emir Sheikh al-Sabah declarando, em outubro de 2019, que “não é aceitável ter uma disputa entre Estados irmãos do Conselho de Cooperação do Golfo”. 

CENÁRIO RELIGIOSO 

A sociedade do Kuwait é conservadora em que o islamismo, associado à sharia (conjunto de leis islâmicas), prescreve uma ampla gama de regras para a vida pessoal, familiar e comunitária. 

O relatório Freedom of Thought 2020 classifica o Kuwait como tendo “graves violações” e nota um declínio na liberdade de expressão desde a Primavera Árabe: “A Constituição garante liberdade de prática religiosa, embora especifique que tal prática não deve violar a moral ou ordem pública e deve trabalhar de acordo com padrões estabelecidos (Artigo 35). O governo não reconhece os bahai, budistas, hindus ou grupos sikh, que não estão inclusos nos princípios islâmicos das fés abraamicas (muçulmanos, judeus e cristãos). Ele também nega o reconhecimento de diversos grupos de cristãos. O reconhecimento do Estado com frequência leva anos para ser aprovado e não é transparente”. 

Embora o Kuwait tenha aceitado algumas das principais convenções da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre direitos humanos (por exemplo, o Pacto de Direitos Civis e Políticos de 1996 e o Pacto de 1996 sobre direitos econômicos, sociais e culturais), religiões não islâmicas enfrentam muita oposição. 

O proselitismo de muçulmanos é ilegal e inaceitável socialmente e igrejas geralmente aplicam uma autocensura para evitar isso. Criticar o islamismo ou o profeta Maomé levará a um processo público. Até mesmo sugerir que a Constituição do Kuwait deveria ter prioridade sobre o Alcorão em casos do Estado pode levar a acusações e ódio público. Durante os últimos anos, ativistas de direitos humanos e outros foram condenados por espalhar o ateísmo e o secularismo. 

Muçulmanos expatriados que se convertem ao cristianismo experimentam pressão parecida à de seus países de origem, já que sempre vivem com a própria comunidade étnica e nacional. Apesar disso, quase não há relatos de que os cristãos foram mortos, presos ou prejudicados pela fé. 

Os cristãos expatriados são relativamente livres para adorar informalmente. No entanto, os lugares existentes registrados para o culto são muito pequenos para o número de pessoas reunidas, e isso pode levar a tensões entre diferentes grupos cristãos. Obter propriedade para adoração é extremamente difícil.  

O aumento do radicalismo sunita na forma do grupo Estado Islâmico tem sido um problema não só para os cristãos na região, mas também para os líderes nacionais e a comunidade internacional.  

Em primeira instância, os cristãos têm mais a temer dos membros da sociedade conservadora do Kuwait do que da grande pressão feita pelo governo, apesar de suas regras rígidas. Existe uma clara dicotomia no país entre os kuwaitianos (por definição muçulmanos) e os muitos trabalhadores imigrantes, ainda mais se esses últimos são cristãos. Como resultado, devido ao abuso e à discriminação societária já existentes, os cristãos frequentemente exercem autocontrole por questões de segurança.  

Convertidos do islamismo para o cristianismo, principalmente aqueles com contexto kuwaitiano, enfrentam os mais altos níveis de pressão. Para convertidos do Paquistão e do Levante (Jordânia, Líbano, Territórios Palestinos, Síria, entre outros), muito depende da resposta da comunidade no entorno. Enquanto eles não criarem tumulto, têm menos a temer do governo kuwaitiano, embora empregadores decidam o fim do contrato de trabalho, o que pode resultar em deportação se não encontrarem outro emprego. Com essa comunidade de expatriados, as consequências para convertidos dependem mais das normas culturais do país de origem do que das práticas culturais do Kuwait. Para expatriados, a conversão ao cristianismo é, às vezes, mais fácil do que em seus países de origem, porque família e parentes estão distantes e a pressão social é menos rigorosa.  

CENÁRIO ECONÔMICO 

O Banco Mundial classifica o Kuwait como uma economia de alta renda com um modelo econômico totalmente dependente das exportações de petróleo e gás. O país tem uma alta taxa de alfabetização de 96,1% e apenas 2,3% da população está desempregada. O Estado do Kuwait tem uma abundância de reservas de petróleo e por isso é um país saudável. Entre os kuwaitianos, a pobreza absoluta não existe. Entretanto, a riqueza é distribuída de forma bem irregular. 

Os altos preços do petróleo levaram a um crescimento econômico significativo, até que a crise financeira global começou em 2008 e afetou o desempenho econômico do país. O Kuwait continua sendo um país relativamente rico. 

A população migrante trabalhadora do Kuwait é maior do que a população nativa. De acordo com o Departamento de Estado dos Estados Unidos, existem 1,4 milhão de cidadãos originalmente kuwaitianos e 3,3 milhões de estrangeiros residentes no país.  

CENÁRIO SOCIOCULTURAL 

A sociedade continua conservadora, muçulmana e tribal, produzindo assim um ambiente mais hostil aos cristãos, especialmente ex-muçulmanos. Segundo o relatório Freedom of Thought, mulheres enfrentam discriminação na lei e na prática. Não há leis contra violência doméstica ou violência conjugal. De acordo com a lei, homens de qualquer religião transmitem a nacionalidade para os filhos. Uma mulher do Kuwait pede a permissão do pai para se casar. Um homem muçulmano pode se casar com mulheres muçulmanas, judias ou cristãs. Uma mulher muçulmana pode se casar apenas com um homem muçulmano, de acordo com a lei islâmica. A criança deve ser criada na fé do pai e a lei islâmica é aplicada nas disputas conjugais. 

O Oriente Médio e a região do Golfo tornaram-se mais imprevisíveis do que nunca. Embora a sociedade do Kuwait seja islâmica conservadora, há influências liberais surgindo. A natureza conservadora da sociedade tem produzido um ambiente que é basicamente hostil aos cristãos. O governo por certo permitirá que isso continue, desde que não se sinta desafiado na administração do poder, para apaziguar os grupos islâmicos radicais na sociedade.  

O Kuwait é um país muito pequeno com a capital sendo o centro de todas as atividades. Os riscos que os cristãos enfrentam — especialmente ex-muçulmanos — dependem de a que tipo de comunidade pertence, além de em qual região geográfica vive. Convertidos locais enfrentam os riscos mais altos, já que os kuwaitianos são conservadores e os vínculos familiares são fortes. Cristãos ocidentais expatriados são, com frequência, mais livres para praticar suas crenças, desde que evitem o proselitismo. Cristãos não ocidentais com baixa qualificação são com mais frequência discriminados e abusados, especialmente trabalhadores domésticos.  

De acordo com o Índice de Desenvolvimento Humano, o Kuwait tem uma expectativa de vida de 78,6 anos e 14,2 anos de escolaridade. Está classificado em 64° lugar de 189 países. 

De acordo com especialistas do país, ser cristão é uma vulnerabilidade extra no Kuwait e pode levar a altos níveis de discriminação ou abuso. Entretanto, a cor da pele e contexto étnico com frequência exercem um papel ainda maior. Assim, expatriados cristãos ocidentais de pele branca provavelmente experimentarão menos perseguição do que expatriados cristãos africanos ou asiáticos. Além disso, expatriados altamente qualificados devem enfrentar menos dificuldades do que os menos preparados. 

Os primeiros sinais da presença cristã no Kuwait são as ruínas das igrejas nas ilhas de Failaka e Akkaz. Os arqueólogos datam essas igrejas entre os séculos 5 e 9. Se essa última data estiver correta, o cristianismo sobreviveu à conquista do islamismo (633 d.C.) mais do que geralmente se supõe. O lugar era um mosteiro com uma igreja cercada por uma área densamente instalada, usada por uma comunidade cristã nestoriana que vivia na ilha. 

No século 10, esses lugares foram desocupados. Depois disso, não há mais sinais da presença cristã no Kuwait por quase um milênio, apesar de sua posição nos impérios árabe e otomano, o que torna muito possível que, por um período, cristãos desses impérios tenham vivido e trabalhado no Kuwait. 

Apenas depois que o califado se tornou um protetorado britânico em 1899, trabalhos missionários começaram no Kuwait. Samuel Zwemer (1867-1952), da Missão Árabe da Igreja Reformada da América no Bahrein, mudou-se para o Kuwait em 1903. A Igreja Evangélica Nacional do Kuwait foi organizada no mesmo ano, apesar de não ter um prédio para adoração até 1926. Em 1910, a missão abriu uma clínica que foi transformada em hospital. 

Após a descoberta do petróleo em 1937, trabalhadores migrantes da Palestina, Síria, Jordânia, Líbano, Índia e Egito chegaram ao Kuwait trazendo consigo os católicos gregos, católicos romanos, evangélicos, sírios-ortodoxos, ortodoxos gregos, a Igreja do Sul da Índia e muitas outras denominações do cristianismo. Devido à expansão do petróleo e o crescimento econômico do Kuwait desde 1973, o número de cristãos árabes e não árabes aumentou drasticamente. 

Atualmente, cerca de 12% da população do Kuwait é cristã, com a Igreja Católica Romana como a maior denominação. Há uma catedral na capital, que serve principalmente para pessoas da Índia, Filipinas, Sri Lanka, Bangladesh e Paquistão, e cristãos árabes do Líbano, Egito, Jordânia, Palestina e Síria. 

O Kuwait é o único membro do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC, da sigla em inglês), além do Bahrein, que tem uma população cristã local que mantém a cidadania. A maioria das famílias cristãs no Kuwait e Bahrein tem origem no Sudoeste da Turquia, enquanto outras vieram do Iraque e da Palestina. De acordo com algumas estimativas, há membros de 12 famílias que se identificam como cidadãos do Kuwait que nasceram cristãos e acredita-se que tenham direitos iguais a um conterrâneo muçulmano. 

O país tem uma alta taxa de alfabetização de 96,1% e apenas 2,4% da população está desempregada

Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE