Cristão acusado de blasfêmia é liberto no Paquistão

Corte paquistanesa concedeu chance de pagar a fiança depois de três anos

Portas Abertas • 30 jun 2022


A sentença para blasfêmia no Paquistão é a pena de morte ou prisão perpétua

A sentença para blasfêmia no Paquistão é a pena de morte ou prisão perpétua

O cristão Stephen Masih foi preso em março de 2019 após um vizinho muçulmano acusá-lo de blasfêmia contra o profeta Maomé, nome sagrado para os muçulmanos. Uma multidão se juntou, atacou Stephen e sua família e incendiou a casa dele. A polícia interveio e prendeu o cristão por causa da falsa denúncia.  


Stephen foi diagnosticado com transtorno bipolar e liberado sob fiança pela Alta Corte de Lahore em 31 de maio deste ano.
 


“Essa decisão da corte é uma vitória para a verdade e a justiça, já que Stephen estava preso por um crime que não cometeu. Houve um falso testemunho. Depois que pagarmos a fiança e ele estiver livre, não vamos desistir de provar a inocência dele para que, por fim, seja absolvido”, o advogado de Stephen comentou em entrevista.
 


Com a liberdade, aumenta a preocupação sobre a segurança de Stephen. “Depois que uma pessoa é acusada de blasfêmia no
Paquistão, a vida dela fica em risco”, disse um líder cristão. Cristãos que foram inocentados das acusações de blasfêmia precisam sair do país porque a partir de então sua segurança não pode ser garantida. 


Cristãos ameaçados
 


Assim como Stephen, outra cristã,
Shaguftah Kausar, foi acusada de blasfêmia. Ela precisou fugir com o esposo para a Europa depois que foi inocentada. Aasiya Noreen, conhecida como Asia Bibi, foi com a família para o Canadá em 2019 pelo mesmo motivo. 


Nadeem Samson, cristão detido sob acusação de blasfêmia por mais de cinco anos, foi liberto sob fiança também. O portal de notícias AsiaNews relatou em dezembro que seus parentes estão escondidos ou fugiram do Paquistão. 


Sob as leis paquistanesas, insultar “o sagrado nome do profeta Maomé” é punido com pena de morte. Até hoje, ninguém foi executado por causa dessa lei, mas leis antiblasfêmia com frequência são usadas para estabelecer limites e perseguir as minorias religiosas no país. As leis “afetam a minoria cristã de todas as classes sociais no Paquistão”, segundo pesquisa da Portas Abertas.
 

 

Sobre nós

A Portas Abertas é uma organização cristã internacional e interdenominacional, fundada pelo Irmão André, em 1955. Hoje, atua em mais de 60 países apoiando cristãos perseguidos por causa da fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2024 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco