15

Maldivas

MV
Maldivas
  • Tipo de Perseguição: Opressão islâmica, paranoia ditatorial, corrupção e crime organizado
  • Capital: Malé
  • Região: Sul da Ásia
  • Líder: Ibrahim Mohamed Solih
  • Governo: República presidencialista
  • Religião: Islamismo
  • Idioma: Divehi, inglês
  • Pontuação: 77


POPULAÇÃO
541 MIL


POPULAÇÃO CRISTÃ
CENTENAS

DOAR AGORA

R$

Como é a perseguição aos cristãos nas Maldivas? 

O governo das Maldivas gosta de se vangloriar de que o país é 100% muçulmano sunita, então nenhuma divergência é levada a sério. Nenhuma minoria religiosa é reconhecida pelo Estado, e todo cidadão é considerado muçulmano — então, cristãos convertidos têm que seguir a Jesus em absoluto sigilo. Se descobertos, eles devem ser relatados aos líderes muçulmanos ou às autoridades, e podem perder a cidadania ou até mesmo receber pena de morte. 

Todos devem usar vestimentas islâmicas e participar do jejum do Ramadã, ou enfrentar prisão pelas autoridades e assédio da comunidade. 

Mesmo trabalhadores estrangeiros cristãos no setor turístico das ilhas são vigiados de perto pelo autoridades — eles podem apenas se reunir para adorar ou realizar casamentos em locais privados (como a embaixada do país deles) e não devem expressar ou discutir a fé com cidadãos locais. Se o fizerem, podem ser multados, deportados ou até mesmo presos por vários anos. 

Há elementos do extremismo islâmico violento nas Maldivas, incluindo combatentes que voltaram de lugares como a Síria, que representam um perigo para cristãos, e o país está lutando para lidar com o tamanho desse desafio. 

As Maldivas são formadas por comunidades muito unidas, tornando muito difícil conversar ou se encontrar com alguém secretamente. A fé cristã deve ser mantida de forma tão privada que dois membros da mesma família podem ser cristãos sem saber um do outro. Encorajamento mútuo e comunhão é um grande desafio, e muitos cristãos — e membros de outras religiões minoritárias — tentam fugir e começar uma nova vida fora do país.   

“Ser maldivo é ser muçulmano. Ser cristão nas Maldivas é ser um seguidor secreto, sem poder praticar a fé, principalmente cultuar e ter comunhão, porque pode ser vigiado o tempo todo.” 

Trabalhador cristão nas Maldivas 

O que mudou este ano? 

A situação para os cristãos nas Maldivas não mudou significativamente, e as Maldivas continuam sendo vistas como 100% muçulmanas sunitas. Devido à reabertura das ilhas para o turismo, mais trabalhadores migrantes estão retornando, já que a economia do país depende dos turistas, o que significa que há mais cristãos de outros países .  

Quem persegue os cristãos nas Maldivas 

O termo “tipo de perseguição” é usado para descrever diferentes situações que causam hostilidade contra cristãos. Os tipos de perseguição aos cristãos nas Maldivas são: opressão islâmica, paranoia ditatorial e corrupção e crime organizado.  

Já as “fontes de perseguição” são os condutores/executores das hostilidades, violentas ou não violentas, contra os cristãos. Geralmente são grupos menores (radicais) dentro do grupo mais amplo de adeptos de uma determinada visão de mundo. As fontes de perseguição aos cristãos nas Maldivas são: oficiais do governo, líderes religiosos não cristãos, cidadãos e quadrilhas, parentes, partidos políticos, redes criminosas.   

Quem é mais vulnerável à perseguição nas Maldivas? 

Convertidos para o cristianismo de origem muçulmana enfrentam a perseguição mais severa nas Maldivas já que, oficialmente, eles não existem no país. Qualquer um que deixar o islamismo perderá sua cidadania.  

Como as mulheres são perseguidas nas Maldivas? 

Meninas ou mulheres suspeitas de serem cristãs podem enfrentar ameaças, violência doméstica ou serem pressionadas em um casamento muçulmano. O abuso sexual de mulheres e crianças está aumentando nas Maldivas, já que a violência doméstica é geralmente aceita aos olhos da sociedade, principalmente como uma punição. A ameaça de abuso é uma ferramenta efetiva de perseguição às cristãs.  

Como os homens são perseguidos nas Maldivas? 

Os riscos físicos, sociais e legais para os homens cristãos nas Maldivas resultam em muitos tentando fugir do país com a família. É muito difícil para a igreja crescer, se desenvolver e treinar líderes. Se um homem cristão é preso, a família sofrerá financeira e emocionalmente, e os filhos deverão sofrer bullying na escola.  

O que a Portas Abertas faz para ajudar os cristãos nas Maldivas? 

A Portas Abertas promove campanhas de oração em favor dos cristãos nas Maldivas.    

Como posso ajudar os cristãos perseguidos nas Maldivas? 

Além de orar por eles, você pode ajudar de forma prática doando para os projetos da Portas Abertas de apoio aos cristãos perseguidos. Doando para esta campanha, sua ajuda vai para locais onde a perseguição é extrema e a necessidade é mais urgente.  

QUERO AJUDAR

Pedidos de oração das Maldivas 

  • Ore para que a liberdade religiosa chegue às Maldivas.  
  • Clame por meios de os cristãos se comunicarem em segurança e terem acesso a literatura cristã.  
  • Peça que cristãos que se sintam isolados experimentem o amor e a presença de Deus.   


Um
 clamor pelas Maldivas 

Deus Pai, nós oramos para que os líderes das Maldivas em breve permitam a liberdade de religião e reconheçam que a fé não pode ser forçada. Que o Senhor torne possível que os cristãos secretos se comuniquem em segurança uns com os outros e acessem materiais bíblicos para aprofundarem seu conhecimento e fé no Senhor. Faça milagres nas famílias, para que maridos, esposas e filhos possam segui-lo juntos. Amém. 

O arquipélago foi habitado perto de cinco séculos antes de Cristo por povos budistas, provavelmente do Sri Lanka e Sul da Índia. De acordo com a tradição, o islamismo foi adotado em 1153. Os portugueses se estabeleceram à força em Malé de 1558 até sua expulsão em 1573. No século 17, as ilhas foram um sultanato sob a proteção de governantes holandeses de Ceilão (Sri Lanka), e, após os britânicos tomarem posse de Ceilão em 1796, as ilhas se tornaram um protetorado britânico, um status formalizado em 1887.  

Em 1932, na época em que a maioria dos poderes administrativos eram de sultões e sultanas, quando a primeira constituição democrática foi proclamada, o país permaneceu um sultanato. Uma república foi proclamada em 1953, porém mais tarde no mesmo ano, o país voltou para o sultanato. 

Em 1965, as Ilhas Maldivas alcançaram total independência política dos britânicos, e em 1968, uma nova república foi inaugurada e o sultanato foi abolido. As últimas tropas britânicas saíram em 29 de março de 1976, data posteriormente celebrada nas Maldivas como o Dia da Independência. 

História recente e proeminência do islã 

As Maldivas são um país politicamente dividido. Após a expulsão do primeiro presidente democraticamente eleito, Mohamed Nasheed, em fevereiro de 2012, seus sucessores reiteraram frequentemente a importância do islã para o país e seus planos para promover a religião. As forças da oposição, ou simplesmente as percebidas como um perigo para os governantes, foram expulsas do país e fundaram uma Oposição das Maldivas Unidas em maio de 2016, liderada pelo ex-presidente Nasheed, que recebeu asilo no Reino Unido. 

A intenção do líder de evitar que o país se torne menos islâmico é a chave ideológica para entender as Maldivas. Embora a surpreendente vitória do político de oposição Ibrahim Solih, em setembro de 2018, não tenha mudado nada em relação a esse objetivo, definitivamente mudou o modo como o governo se comunica. Também trouxe de volta o ex-presidente Mohamed Nasheed, que foi nomeado presidente do parlamento. Em 6 de maio de 2021, um ataque a bomba perto da casa dele o feriu gravemente. O governo atual pretende ser mais aberto, mas isso não indica que hesitará em retocar as suas credenciais islâmicas, como demonstrou o surpreendente e rápido encerramento da ONG Maldives Democracy Network em novembro de 2019.  

Esse é um bom lembrete de que a pequena minoria cristã precisa ter muito cuidado para não despertar qualquer atenção, assim como os trabalhadores migrantes cristãos, que atuam principalmente no setor de hotelaria. Portanto, é justo dizer que os cristãos estão lutando em muitas frentes atualmente. 

O país é 100% muçulmano sunita e se um cidadão maldivo quiser se afastar do islã perderá sua cidadania. Entre os muitos trabalhadores estrangeiros, também há cristãos. Quando esses cristãos se atrevem a querer conhecer cristãos locais, precisam ser muito cautelosos e discretos.  

Convertidos não têm espaço nenhum para viver a fé cristã e cristãos estrangeiros residentes no país (geralmente operários migrantes) não têm possibilidade de cultuar juntos sem temer prisão ou deportação. Em um país em que, de acordo com a Constituição, um não muçulmano não pode se tornar um cidadão das Maldivas, não é possível contar sobre a história de uma igreja que supostamente “não existe”, para a própria segurança dos cristãos maldivos.  

Da mesma forma, pela Constituição, se é descoberto que alguém se converteu ao cristianismo sua cidadania será tirada e a pessoa será punida por violar a sharia (conjunto de leis islâmicas). É fácil imaginar que a pressão é extremamente alta e entender por que os convertidos permanecem escondidos. Alguns cristãos maldivos preferiram deixar o país e morar no exterior devido à pressão.  

Oficialmente, não há cristãos das Maldivas, apenas cristãos expatriados. No entanto, em 2021 uma mudança foi observada em como o governo lida com os chamados “apóstatas”. A abordagem tradicional da islamização foi ilustrada quando o Ministério de Assuntos Islâmicos publicou um documento político (em abril de 2018) que tratava, entre outros tópicos, da questão dos apóstatas. Obviamente, o governo declara nesse artigo que nunca tolerará apostasia. 

Na mesma época, o ministro da Defesa declarou com toda a clareza que nunca permitirá a liberdade de religião nas Maldivas, pois é um “país com valores islâmicos moderados”. O novo governo estabeleceu um sinal claro, fazendo com que a polícia encontrasse as pessoas responsáveis por classificar os outros como “apóstatas” nos blogs de mídia social e os aconselhou a não repetir essas declarações. Resta saber se isso reflete uma mudança de atitude ou apenas de tom. Por enquanto, a situação da minoria cristã nas Maldivas continua difícil.  

A língua das Maldivas é o divehi e a Bíblia completa nesse idioma ainda não está disponível. No século 12, os comerciantes muçulmanos sunitas levaram o islã às Maldivas, que era um país budista há séculos. A tradição sufista forte vem declinando à medida que a influência do wahabismo saudita cresce, apesar do resfriamento recente das relações com a Arábia Saudita, quando o governo anunciou prematuramente um enorme investimento saudita nas Maldivas, enfurecendo o próprio rei saudita.  

O governo que tomou posse em meados de novembro de 2018 não fez melhoras tangíveis no que diz respeito à liberdade de religião até agora. 

A sociedade maldiva é muçulmana e, de acordo com números do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas, muito jovem, com idade média de 29,9 anos. Há anos, as Maldivas enfrentam sérios problemas sociais, como dependência de drogas, casos de abuso sexual e altas taxas de divórcio, sem encontrar soluções. 

As Maldivas têm uma das mais altas densidades populacionais do mundo, sobretudo em sua ilha principal, Malé. As comunidades muito próximas e homogêneas servem como vigias naturais para qualquer desvio dos membros, o que naturalmente inclui a opção religiosa. Portanto, a conversão ao cristianismo pode facilmente ser relatada aos líderes muçulmanos ou autoridades. Cristãos estrangeiros residentes no país, a maioria dos quais trabalhando no setor de turismo e vindos da Índia e do Sri Lanka, são vigiados de perto também, tornando a comunhão de cristãos muito difícil.  

Altas taxas de abuso sexual e divórcio 

Um estudo sobre a violência contra as crianças afirma que um em cada sete adolescentes na idade do Ensino Médio já foi abusado sexualmente em algum momento da vida. Também se descobriu que a taxa de abuso sexual para meninas é quase duas vezes maior (20%) em relação à taxa dos meninos (11%). As meninas estão particularmente em risco na capital, Malé.  

Além disso, o estudo descobriu que 47% das crianças maldivas menores de 18 anos sofreram punição física ou emocional em casa, na escola ou na comunidade. Também é mais comum entre os estudantes que frequentam o Ensino Médio nos atóis (ilhas em forma de anel); um em cada quatro relataram terem sido molestados por adultos ou outras crianças no ano anterior. A taxa de Malé foi de 14%. Relatórios mais recentes não estão disponíveis, mas o problema é reconhecido oficialmente. O Ministério da Família e Crianças, por exemplo, relatou números mais altos de abuso de crianças em novembro de 2017 e o prefeito da capital Malé denunciou o crescente crime em sua cidade. 

As Maldivas têm a maior taxa de divórcio do mundo, com uma proporção de nove em dez — alguns maldivos, supostamente, chegam a se casar sessenta vezes. Seguindo o costume islâmico, um marido pode se divorciar de sua esposa simplesmente dizendo “eu me divorcio de você” três vezes. A alta taxa de divórcio é responsabilizada pela natureza do trabalho dos maridos nas indústrias de transporte e turismo. Eles devem ficar longe de casa por um longo período de tempo. Isso resulta em falta de confiança e dificuldades financeiras para muitas mulheres. 

Além disso, as Maldivas são vistas como “um paraíso perdido para o terrorismo”. Isso pode ser um exagero, mas o país tem uma das maiores taxas per capita de militantes islâmicos que lutam no exterior. Ligado a isso, outros dois desafios surgem: um é que não se tem ideia do que fazer com as viúvas e filhos de “shahids” (militantes islâmicos mortos no Iraque e Síria) que voltam para as Maldivas. As autoridades não sabem como lidar com eles. O outro desafio é que militantes islâmicos que retornaram foram absolvidos nos tribunais devido à falta de provas de que eles realmente estavam envolvidos no combate de 2015, ano em que uma lei que penaliza lutar em uma guerra estrangeira entrou em vigor. Esses homens são livres e considerados por muitos verdadeiros heróis islâmicos.  

Segundo o governo, o país é 100% muçulmano sunita e todos os cidadãos das Maldivas devem ser muçulmanos. Não há igrejas históricas nas Maldivas. 

Cristãos expatriados geralmente vêm da Índia, do Sri Lanka ou de Bangladesh. Essas comunidades são monitoradas de perto, mas a maioria delas tem a liberdade de se reunir, desde que permaneçam estritamente entre si. Os cristãos expatriados não têm contato com os cristãos de origem muçulmana nativos. 

Os cristãos de origem muçulmana enfrentam de longe a mais alta perseguição, já que, oficialmente, eles não existem no país.  

Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2023 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco