O que é o Dia Internacional contra o Tráfico de Pessoas?

Entenda como o tráfico humano afeta cristãos perseguidos

Portas Abertas • 30 jul 2022


Mulheres e crianças cristãs são as mais impactadas pelo tráfico de pessoas

Mulheres e crianças cristãs são as mais impactadas pelo tráfico de pessoas

Em 2013, a Organização das Nações Unidas escolheu 30 de julho como Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas. A data permite a conscientização sobre a gravidade e a persistência desse crime em vários países e a defesa dos direitos das vítimas.


O tráfico de pessoas acontece quando pessoas são recrutadas e transportadas involuntariamente e são subjugadas por um criminoso ou quadrilha que abusa das vítimas de diversas maneiras e pode ter vantagens econômicas por isso. O objetivo desse crime pode ser a exploração sexual (50% dos casos), conseguir mão de obra para trabalhos forçados (38%) e até para casamentos forçados (1%), segundo o relatório da UNODC (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime).


As quadrilhas procuram pessoas vulneráveis, geralmente mulheres e crianças. Países em conflito, com fronteiras frágeis e acampamentos de refugiados também são alvos dos criminosos por causa da menor vigilância e dos deslocamentos frequentes (muitas crianças se perdem nas fugas).


Como isso afeta os cristãos?


Muitas cristãs deixam a Venezuela por causa da crise econômica e se tornam alvos dos traficantes, principalmente para exploração sexual. Por causa da fé delas, os criminosos consideram que elas são “mais puras” e por isso valeriam mais dinheiro, mostrando a dupla vulnerabilidade: são alvos por serem mulheres e também porque são cristãs.


No México, denúncias recentes mostram que o crime organizado também é conhecido por traficar pessoas e afeta muitas famílias cristãs que veem seus parentes desaparecerem repentinamente.


As meninas são as mais vulneráveis no Paquistão. Centenas de jovens cristãs são sequestradas, traficadas e forçadas a se casar. Nesses casos, as meninas ficam subjugadas às decisões e à fé do marido, uma forma de pressionar as minorias cristãs. O trabalho forçado e a prostituição são os outros dois espaços ocupados pelas meninas traficadas.


A realidade do tráfico de pessoas também afeta cristãs na Coreia do Norte, segundo o relatório de 2022 feito pela Portas Abertas sobre o país. Há mais de 10 mil cristãs em campos de trabalho forçado por causa da fé, em que muitas sofrem abusos e quando conseguem fugir acabam sendo vítimas do tráfico, sobretudo quando fogem para a China.


Sook-ja (pseudônimo) foi uma das vítimas do tráfico de pessoas na Coreia do Norte. Ela vivia deprimida com as lembranças das ameaças e abusos. Mas, desde que começou a participar de um grupo de estudos bíblicos da igreja clandestina, ela descobriu a esperança em Jesus e encontrou forças para recomeçar. O marido de Sook-ja não gostava do grupo inicialmente, mas quando viu como ela ficou feliz e animada, mudou de ideia e tem testemunhado a mudança que Jesus fez na vida da esposa.


Os dados acima foram baseados nas pesquisas sobre os países e regiões citadas feitas pela Portas Abertas para a Lista Mundial da Perseguição 2022.


Ajuda para quem mais precisa


Além do tráfico de pessoas, cristãos perseguidos enfrentam outros tipos de violações dos direitos humanos. A Portas Abertas envia alimentos, organiza seminários de cuidados pós-trauma, entre outras medidas para socorrê-los. Sua doação ajuda a suprir as necessidades urgentes dos irmãos na fé.


Rodapé da campanha Ajuda para quem mais precisa com imagem de uma cristã usando roupas roxas

Sobre nós

A Portas Abertas é uma organização cristã internacional e interdenominacional, fundada pelo Irmão André, em 1955. Hoje, atua em mais de 60 países apoiando cristãos perseguidos por causa da fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2024 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco