48

Cazaquistão

KZ
Cazaquistão
  • Tipo de Perseguição: Paranoia ditatorial, opressão islâmica, opressão do clã
  • Capital: Astana
  • Região: Ásia Central
  • Líder: Kasym-Jomart Tokayev
  • Governo: República presidencialista
  • Religião: Islamismo, cristianismo e ateísmo
  • Idioma: Cazaque e russo
  • Pontuação: 65


POPULAÇÃO
19,2 MILHÕES


POPULAÇÃO CRISTÃ
4,9 MILHÕES

DOAR AGORA

R$

Como é a perseguição aos cristãos no Cazaquistão? 

Desde 2011, a liberdade religiosa tem sido restrita no Cazaquistão. O controle e a vigilância do governo continuam aumentando. A Igreja Ortodoxa Russa tem certa independência do Estado, pois não é considerada uma ameaça para o contexto muçulmano do país.  

No entanto, cristãos de origem muçulmana são perseguidos tanto pelo Estado como pelas próprias comunidades. Quando alguém se torna cristão, fica sob o risco de ser trancado em casa pelos familiares, que fazem isso para evitar o contato com outros cristãos. Além disso, enfrenta abusos físicos e verbais, exclusão da família e da comunidade são outras formas pelas quais os cristãos são perseguidos.  

As autoridades invadem cultos e impõem multas, detêm e aprisionam cristãos, principalmente os líderes. É difícil para os cristãos conseguirem sobreviver, especialmente nas áreas rurais. Ali, as autoridades exigem suborno dos estabelecimentos de cristãos. Alguns negociantes escondem a fé para evitar esse risco. Recém-convertidos e líderes perdem o emprego com frequência por causa da fé em Jesus. 

O pior cenário possível é o fechamento das igrejas e a prisão das pessoas. 

John (pseudônimo), cristão cuja igreja foi atacada 

O que mudou este ano? 

A perseguição aos cristãos no Cazaquistão teve uma pequena piora em relação ao ano passado, especialmente na esfera da igreja e da comunidade. Os cristãos são pressionados pelas famílias muçulmanas, amigos e vizinhos da comunidade onde vivem. O governo também impõe diversas restrições às atividades da igreja. 

Quem persegue os cristãos no Cazaquistão? 

O termo “tipo de perseguição” é usado para descrever diferentes situações que causam hostilidade contra cristãos. Os tipos de perseguição aos cristãos no Cazaquistão são: paranoia ditatorial, opressão islâmica e opressão do clã. 

Já as “fontes de perseguição” são os condutores/executores das hostilidades, violentas ou não violentas, contra os cristãos. Geralmente são grupos menores (radicais) dentro do grupo mais amplo de adeptos de uma determinada visão de mundo. As fontes de perseguição aos cristãos no Cazaquistão são: oficiais do governo, partidos políticos, cidadãos e quadrilhas, parentes, líderes de grupos étnicos, líderes religiosos não cristãos. 

Quem é mais vulnerável à perseguição no Cazaquistão? 

Cristãos de origem muçulmana estão em risco em todo país, mas enfrentam maior pressão nas comunidades em áreas rurais 

Como as mulheres são perseguidas no Cazaquistão? 

A vida cotidiana no Cazaquistão é baseada na cultura islâmica, na qual espera-se que as mulheres sejam completamente submissas aos pais ou aos maridos. Tornar-se cristã é considerado uma forma de desafiar a família e pode levar a abuso físico e verbal, assédio, ameaças e prisão domiciliar.  

Uma cristã de origem muçulmana relatou que foi submetida a agressões físicas frequentes do marido há alguns anos. Ele chutou a barriga dela enquanto estava grávida e pouco depois a abandonou. O risco de casamentos forçados com muçulmanos também é uma realidade para as solteiras que se convertem ao cristianismo. Nas áreas rurais, muitas mulheres são raptadas com esse propósito.   

Como os homens são perseguidos no Cazaquistão? 

A pressão sobre os homens cristãos vem do Estado, da família e da comunidade. Eles são obrigados a se registrar para o serviço militar e mesmo em um ambiente altamente controlado como o exército eles são perseguidos. 

Se um homem de origem muçulmana se torna cristão, ele é submetido a insultos, violência física e pode ser expulso da família. Os mais jovens correm o risco de perder o apoio financeiro da família para pagar os estudos.  

O que a Portas Abertas faz para ajudar os cristãos no Cazaquistão? 

A Portas Abertas fortalece cristãos perseguidos na Ásia Central por meio de distribuição de Bíblias e literatura cristã, treinamentos vocacionais, projetos de desenvolvimento socioeconômico e no ministério de crianças, de jovens e de mulheres. 

Como posso ajudar os cristãos perseguidos no Cazaquistão?  

Além de orar por eles, você pode ajudar de forma prática doando para os projetos da Portas Abertas de apoio aos cristãos perseguidos. Doando para esta campanha, sua ajuda vai para locais onde a perseguição é extrema e a necessidade é mais urgente. 

QUERO AJUDAR 

Pedidos de oração do Cazaquistão 

  • Ore para que os cristãos tenham a provisão do sustento de que precisam. 
  • Interceda pela segurança dos cristãos que se reúnem em segredo.  
  • Clame para que as autoridades sejam impactadas pela integridade dos cristãos e assim concedam maior liberdade de culto no Cazaquistão.  

Um clamor pelo Cazaquistão 

Santíssimo Deus, pedimos que o Senhor encoraje os líderes cristãos no Cazaquistão e todos aqueles que, com firmeza, por vezes contrariando a vontade da família, o seguem. Envie todo o suporte de que eles precisam para seguir e servir a Jesus. Clamamos pela proteção dos cultos cristãos e rogamos que por meio da coragem e do testemunho dos cristãos, a igreja cresça nesse país. Amém.   

Ao longo dos séculos, várias partes do Cazaquistão atual foram incorporados por diferentes impérios. Durante o final do século 15 e começo do 16, os cazaques conseguiram consolidar um império nômade. As dificuldades enfrentadas pelos cazaques nas mãos dos Dzungars sem dúvida retardaram a emergência de um Estado Cazaquistão unificado e aumentou a pressão de manter o nível de vida cultural cazaque. Essas dificuldades também tornaram os cazaques ainda menos capazes de resistir às invasões da Rússia no Norte. 

O avanço da Rússia no território cazaque foi lento e pouco violento, mas inevitável. Ela fez uso total das dissensões e divisões internas cazaques, mas foi, em essência, uma típica invasão de agricultores sedentários em terras de nômades. A ocupação russa dos estepes cazaques se mostrou essencial para a conquista dos muçulmanos da Ásia Central.  

A partir de 1927, o governo soviético buscou uma política vigorosa de transformar os nômades cazaques em uma população urbana e da colonização da região com russos e ucranianos. O Cazaquistão se tornou formalmente uma república constituinte da União Soviética em 5 de dezembro de 1936.  

Como todos os outros países da região da Ásia Central, o Cazaquistão conquistou sua independência no final de agosto de 1991. Foi o último integrante da ex-União Soviética a fazê-lo. De todos os antigos Estados da União Soviética, o Cazaquistão foi quem conseguiu fazer a transição econômica da melhor maneira. Ao contrário de outros países da Ásia Central, os governantes do país participam da comunidade internacional e estão ansiosos para cooperar e sediar negociações internacionais. Em março de 2017, realizou-se uma reunião internacional na capital cazaque de Astana, agora Nursultan, sobre a guerra na Síria. Até agora, o destaque do Cazaquistão foi ser homenageado com a presidência rotativa da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em 2010. 

Desde 2010, o regime do presidente Nursultan Nazarbayev assumiu um caráter muito mais ditatorial e aproximou o Cazaquistão dos outros países da Ásia Central. Políticas repressivas, controle rigoroso da mídia e restrições legislativas, também na esfera religiosa, foram introduzidas com o objetivo de manter o poder. Nazarbayev renunciou em março de 2019 e Kasym-Jomart Tokayev foi eleito presidente em 9 de junho de 2019. 

Nos séculos 7 e 8, o cristianismo nestoriano se espalhou pelo Sul do Cazaquistão. No ano 1009, os missionários nestorianos batizaram um dos numerosos grupos de kereiti étnicos de fala mongol e que adotaram nomes cristãos como Marguz (Marcos). No mesmo período, o cristianismo nestoriano se espalhou entre outros povos da Ásia Central, e as vilas metropolitanas foram estabelecidas. 

Timur Lenk (também chamado Tamar Lane (1336-1406)) erradicou o cristianismo no século 14. Josef Stalin (1878-1953) ordenou a deportação de muitos religiosos considerados não confiáveis para a União Soviética, para o Cazaquistão durante a “Grande Purga” na década de 1930. Durante esses anos, muitos cristãos ortodoxos, católicos e protestantes russos foram enviados para a Ásia Central e uma boa parcela se estabeleceu no Cazaquistão. 

Sacerdotes foram deportados e enviados para campos de concentração no Cazaquistão. Quando foram libertos, começaram um ministério como cristãos secretos entre as pessoas. A igreja cresceu principalmente entre os não cazaques. 

Depois que o país declarou independência em 1991, a nova liberdade religiosa permitiu esforços missionários e evangelísticos para alcançar milhares de cazaques étnicos que abraçaram o cristianismo. A igreja indígena, ou seja, cristãos ex-muçulmanos, que era praticamente inexistente em 1990, agora é estimada em 15 mil pessoas. 

Rede atual de igrejas 

Entre as comunidades cristãs históricas, a Igreja Ortodoxa Russa (IOR) é, de longe, a maior. Elas não estão envolvidas com evangelismo entre cazaques. Elas podem funcionar relativamente em liberdade, visto que o regime cazaque não as considera um perigo. Além disso, o governo não tem interesse em provocar a Rússia ao tornar as coisas difíceis para a IOR. 

Os cristãos ex-muçulmanos suportam o peso da perseguição no Cazaquistão. Além de algumas restrições do Estado, eles também estão sob forte pressão da família, amigos e comunidade. Para eles, a comunidade é a mais poderosa. 

As comunidades cristãs não tradicionais, sobretudo os grupos não registrados, enfrentam perseguição crescente, principalmente porque são ativos em evangelismo. Todos os cristãos nessa categoria enfrentam batidas policiais, ameaças, prisões e multas por parte das autoridades. 

De acordo com o World Christian Database, a população do Cazaquistão é 70% muçulmana – predominantemente sunita. No entanto, seria errado chamar o Cazaquistão de um país muçulmano. Setenta anos de ateísmo durante a União Soviética deixaram uma profunda influência; o governo, herdeiro dos soviéticos ateus, é firmemente secular e procura manter o islamismo sob controle, enquanto a maioria esmagadora da população segue meras tradições islâmicas e não ensinamentos muçulmanos estritos. No entanto, “ser um cazaque é ser muçulmano”, é a crença de muitos cazaques. 

Como resultado, os convertidos ao cristianismo experimentam muita pressão de familiares, amigos e comunidade local. Essa pressão é muito mais forte no campo do que nas principais cidades. Os parentes oprimem os cristãos, às vezes com abuso físico, tentando levá-los de volta ao islamismo. Outras vezes, isso também é feito pela polícia local. 

O Cazaquistão tem de longe a maior presença cristã na Ásia Central. A razão disso não é que os cazaques se converteram em grande escala ao cristianismo, mas é devido à presença de uma minoria russa nas províncias do Norte do país. Como resultado, mais de 90% de todos os cristãos no Cazaquistão pertencem à Igreja Ortodoxa Russa. Ao contrário de outros países da Ásia Central, o país não experimentou uma emigração em massa de russos. 

Cenário para os cristãos 

Todas as comunidades cristãs experimentam alguma forma de perseguição. As igrejas ortodoxas russas são as menos perseguidas, pois geralmente não tentam entrar em contato com a população cazaque. São os cristãos nativos de origem muçulmana que suportam o maior peso da perseguição. Alguns convertidos chegam a ser trancados em casa por longos períodos, agredidos e podem até ser expulsos das comunidades. Mulás (clérigos islâmicos) locais também pregam contra eles.  

Se cidadãos nativos (que são muçulmanos) se converterem ao cristianismo, é provável que experimentem pressão e, ocasionalmente, violência física por parte da família, amigos e comunidade local, para forçá-los a retornar à antiga fé. Como resultado, os convertidos fazem o máximo para esconder a fé, tornando-se cristãos secretos.  

Nenhuma atividade religiosa fora de instituições estatais e controladas pelo Estado é permitida. A pressão das autoridades aumentou desde 2015 e os ataques e prisões continuaram. Os membros das igrejas protestantes são particularmente visados, uma vez que são considerados uma influência estrangeira com o objetivo de destruir o atual sistema político. Por isso são severamente controlados.  

Ações do governo 

O governo está estimulando com sucesso o uso da língua local e o renascimento da cultura tradicional cazaque. Em 12 de abril de 2017, o presidente Nazarbayev ordenou que as autoridades apresentassem um alfabeto latino para a língua cazaque até o final de 2017, marcando uma grande mudança, após quase 80 anos com um alfabeto baseado em cirílico (como o idioma russo). 

Apesar disso, 95% da população do Cazaquistão ainda é capaz de se comunicar em russo. Devido ao antigo sistema educacional soviético, praticamente todos os cidadãos cazaques são alfabetizados. Isso oferece grandes oportunidades para a igreja espalhar o evangelho. 

Embora o regime tenha imposto muitas restrições na produção, importação e distribuição de materiais religiosos, a fronteira vasta e aberta com a Rússia significa que obter materiais necessários no Cazaquistão é menos problemático do que em outros países da Ásia Central. 

Em novembro de 2014, o governo disse que iniciaria uma campanha de dez anos para combater a corrupção – um fenômeno que permeia todos os aspectos da sociedade cazaque e que a igreja enfrenta quase que diariamente. Em 26 de dezembro de 2014, o presidente Nursultan Nazarbayev assinou um decreto que introduz a nova estratégia anticorrupção para ser realizada entre 2015 e 2025. 

A crise de COVID-19 também atingiu o Cazaquistão em 2020. No início, nem todos os casos de COVID-19 foram registrados. Isso levou à curiosa situação em que o número de sepulturas em um cemitério em Almaty separado para vítimas da COVID-19 ultrapassou o que constava nos registros oficiais. Mais tarde, os principais setores econômicos do país (exploração de petróleo e gás natural e mineração de cobre) mostraram ter mais infecções por COVID-19 do que a média. Isso significa que o governo cazaque se viu em apuros: por um lado, não podia permitir que a renda dos recursos de petróleo, gás e cobre fosse perdida, mas também não podia se dar ao luxo de ter recorrentes surtos de infecções em locais de trabalho que ameaçavam se espalhar para as populações locais. Trabalhadores se viram em um dilema semelhante: ficar em casa e perder a renda, ou trabalhar e correr o risco de pegar o vírus. 

Em geral, os cristãos experimentam os mesmos problemas que todas as outras pessoas do país. A única exceção a isso é a pressão do ambiente social (família, imãs locais, aldeões) a cristãos de origem muçulmana. De acordo com um relatório do Banco Asiático de Desenvolvimento, as normas culturais são geralmente positivas em relação ao conceito de igualdade de gênero. Em contrapartida, a violência doméstica continua a ser uma área de preocupação contínua, particularmente porque piorou no contexto da pandemia de COVID-19. 

Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2023 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco